Entenda a importância da comunicação visual para seu negócio

Todo mundo ouve falar na importância de aumentar as vendas e aplicar inovações no marketing e na publicidade para isso. Mas são poucos os que sabem o quanto a comunicação visual pode impactar nos resultados finais.

É conhecida a expressão segundo a qual “uma imagem diz mais que mil palavras”. Agora, imagine se não for apenas uma imagem ou foto, mas se até mesmo as cores e as fontes utilizadas pela marca puderem se comunicar com o cliente.

Aí é que entra o papel da comunicação visual, mostrando que nosso cérebro e a troca de informações vão muito além do verbal, do textual ou do escrito. De fato, as maiores marcas do mundo sempre souberam disso, e sempre aplicaram esses conceitos.

O ser humano é uma criatura visual, e a prova disso é que a comunicação entre pessoas também conta com altas cargas de “coisas não ditas”. A linguagem corporal está aí para provar isso sem margem para dúvidas.

Na verdade, quando transportamos isso para o mundo corporativo, o assunto se torna até mais intrigante e urgente. A verdade é que provavelmente seu cliente terá uma opinião formada sobre sua marca antes de você abrir a boca.

Portanto, além de transmitir segurança, profissionalismo e idoneidade, nesses tempos atuais em que o mercado se mostra cada vez mais competitivo e até saturado em alguns nichos, a comunicação visual pode ser o seu grande diferencial que estava faltando.

Além disso, com a disseminação da internet o cenário se tornou ainda mais desafiador. Hoje, todos os dias são centenas ou mesmo milhares de sites e páginas novas que surgem, tornando cada vez mais difícil alguém se destacar na multidão.

Por isso é que decidimos escrever este artigo. Se você quer compreender melhor qual é a importância e como criar a melhor identidade visual para o seu negócio, tanto com conceitos quanto com dicas práticas, é só seguir adiante na leitura.

Por que investir em comunicação visual?

Além das vantagens brevemente referidas acima, é possível e até necessário especificar ainda mais as razões por que a comunicação visual se tornou indispensável. O primeiro ponto tem justamente a ver com posicionamento no mercado.

Se você pegar alguém da área de empresas de uniformes como exemplo, verá com facilidade que o serviço inclui todo um trabalho visual, que pode envolver desde design e criação até a parte gráfica e de impressão em roupas e tecidos.

Contudo, não são apenas essas marcas que precisam se preocupar com o assunto, mas qualquer outra, até mesmo clínicas médicas e escritórios de advocacia. É só prestar atenção no logotipo e nas letras de slogan que algumas dessas empresas utilizam.

Por trás certamente há um profissional, que pensou em cada detalhe, levando vários fatores em conta, tais como:

  • Público-alvo;
  • Filosofia da marca;
  • Uso de padrões;
  • Psicologia das cores;
  • Espaços físicos;
  • Espaços online;
  • Cultura organizacional;
  • Entre outros.

Atualmente, um dos esforços principais que toda marca precisa fazer tem a ver com a assertividade na hora de identificar o público-alvo, conceito que se aprofundou nos perfis da persona da marca e do público (como aprofundaremos abaixo).

A comunicação visual tem tudo a ver com isso. Esse seria o primeiro esforço de uma empresa de comunicação visual, investir na identificação da marca com o cliente, conquistando não apenas a confiança dele, como a empatia e o engajamento.

Deste modo, podemos dizer que a comunicação visual determina o sucesso do negócio e até o crescimento da marca. Ou seja, trata-se de aumentar os resultados gerais, desde a rentabilidade até a lucratividade da empresa.

Isso é ainda mais verdadeiro se considerarmos que os resultados realmente sólidos e sustentáveis não são criados apenas com estratégias imediatas, mas com foco no médio e até mesmo no longo prazo.

Algumas dicas gerais sobre o processo

Antes de entrarmos no passo a passo, é possível dar umas dicas gerais sobre o processo de criação da comunicação visual de uma empresa. Por exemplo, o fato de que é preciso criar um visual coerente com o conceito da marca.

Assim, se ela atua na área de empresas de manutenção industrial, vai precisar de cores frias e de uma postura que transmita idoneidade. Geralmente, os decisores da sua clientela são pessoas técnicas e formais.

Agora, imagine se for o caso de fazer uma hamburgueria localizada em alguma capital metropolitana. Certamente, vai ser possível ser bem mais informal, descolado e lançar mão de cores quentes, ou mesmo de grafites na parede e gírias no cardápio.

Tudo isso tem a ver com a comunicação visual, desde os letreiros do toalete de uma lanchonete até as cores de um outdoor sobre tecnologia. Isso pode parecer evidente, mas não é difícil ver casos de marcas que pecam no básico, então é preciso reforçar.

Com certeza é preciso abusar da criatividade, inclusive para conseguir ser disruptivo e fazer algo que realmente seja inovador. Até porque, para pensar em algo marcante para os consumidores, é preciso “pensar fora da caixa”, como se diz hoje.

Mas com certeza é fundamental ser crítico e prudente. No fundo, uma fábrica de etiquetas adesivas pode ter de contratar um profissional para construir a comunicação visual da sua empresa, pois um amador jamais conseguiria atingir a mesma eficiência.

Tanto é assim que um dos profissionais mais requisitados hoje é, justamente, o de marketing, publicidade, design e setores típicos. Além de poder fundar a comunicação de uma marca, eles também fazem o famoso “redesign”.

Neste último caso, trata-se de começar do zero, mas com alguma empresa que já esteja em funcionamento. Também isso pode ser feito em qualquer nível, seja uma pizzaria de bairro ou uma indústria, e pode envolver tanto o logotipo quanto a fachada do local.

Como unir o briefing e o brainstorming?

O primeiro passo para qualquer projeto é um bom planejamento, certo? Com o marketing, a publicidade e a construção de uma comunicação visual assertiva e durável não é diferente, daí a importância de, antes de qualquer coisa, fazer um briefing.

É ali que você coloca as perguntas centrais e já vai trabalhando suas respostas. Uma empresa que lida com placas personalizadas pode e deve fazer nada menos do que um manual de identidade visual, detalhado do começo ao fim.

Assim, cada campanha ou mesmo cada ação de marketing que for feita, vai ser norteada pelos mesmos princípios, dando uma harmonia que sem isso seria impossível. As perguntas que podem ajudar no briefing são as seguintes:

  • Como meu produto ou serviço é?
  • Como descrevê-lo em apenas cinco palavras?
  • Meu tom é mais formal ou informal?
  • Quem é meu público-alvo?
  • Quais são meus concorrentes?
  • Que vantagens eu tenho em relação a eles?
  • E quais desvantagens ou pontos fracos?

Também é aí que entra a realização do brainstorming, que nada mais é do que uma reunião que visa a causar uma verdadeira “chuva de ideias”. Ela pode definir desde ideias para fazer canetas personalizadas até a missão e os valores de uma empresa.

Uma dica de ouro é não inibir ninguém da equipe, para que todos realmente tenham espaço de expor as ideias que surgirem. Inclusive, não é raro o gestor fazer essa reunião fora da empresa, para estimular ainda mais a participação e a criatividade.

Sobre a persona e os detalhes visuais

Além do passo a passo do briefing e de um brainstorming bem-feitos, é possível aprofundar a definição da persona e o impacto que isso terá nas cores, fontes e no estilo geral da marca.

O importante é compreender por que o conceito de público-alvo está superado. Se o negócio lida com adesivos para empresas, dizer que o foco está em empresas que precisam de adesivos não é o suficiente. 

As perguntas que podem aprofundar este ponto são:

  • Onde encontrar meu cliente ideal?
  • Como ele consome notícias e novidades?
  • Quais redes sociais ele mais utiliza?
  • O que adora que uma marca faça por ele?
  • Como chamar a sua atenção?
  • O que odeia que aconteça na negociação?

Depois disso já é possível definir dois ou três perfis da sua persona, dando nomes e até fotos reais de alguém, para ilustrá-los melhor. Então, cada ação de marketing vai ser voltada para esses personagens semifictícios.

Portanto, engana-se quem pensa que o que vai definir os detalhes visuais, como as cores, fontes e estilo, são fatores práticos, como os gastos com suprimentos para comunicação visual. Na verdade, é preciso cruzar essa demanda com os perfis.

Quais fontes seu público gostaria de ver, por exemplo? A psicologia das cores comprova que cores quentes são voltadas para produtos mais populares, como fast foods, ao passo que cores frias imprimem um estilo mais sóbrio e intimista à marca.

Tudo isso deixa claro como a comunicação visual é importante para qualquer empresa, especialmente quando as dicas dadas acima são levadas em conta.
Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Leave a Reply