Dicas para montar seu sistema de monitoramento residencial

Um bom sistema de monitoramento residencial tem sido a escolha de muitas pessoas e empresas. Isso porque a violência e a insegurança no Brasil têm aumentado continuamente.

Essa situação tem levado as pessoas a procurarem alternativas de segurança, principalmente, para que possam se sentir protegidas em suas casas. Dentre as principais escolhas está o monitoramento residencial.

Por isso, este assunto já é algo bem recorrente, uma vez que se proteger de assaltos e invasões, principalmente nas grandes cidades, já se tornou prioridade.

Esses sistemas de segurança e monitoramento protegem a família e garantem um dia a dia mais tranquilo, pois além de vigiarem a casa, conseguem cuidar de seus arredores.

Para isso, é necessária a instalação de câmeras, pontos de acesso e até alarmes, pois são itens que possuem um apelo muito maior. Eles também são mais acessíveis e podem ser feitos por quem comprou.

Mesmo assim, é preciso ter alguns cuidados ao realizar essa tarefa, para que a proteção seja efetiva e o local fique em segurança.

Por isso, neste artigo, vamos falar sobre os componentes necessários, como escolhê-los em cada um dos casos e dar dicas para montar um bom sistema de monitoramento.

Componentes necessários para instalação de um CFTV residencial

CFTV é uma sigla para circuito fechado de TV, que diz respeito a um sistema de monitoramento que vem se tornando cada vez mais popular.

Isso porque ele possui preços mais acessíveis e uma instalação mais simples. Por isso, qualquer pessoa ou empresa, como uma de administração condominial consegue um sistema que atenda suas necessidades.

Só que, para isso, é preciso usar alguns itens. Dentre os principais estão:

Câmera

Ao escolher a câmera, é necessário analisar onde ela será utilizada e qual a sua finalidade. É destinada a que tipo de ambiente, interno ou externo?

Qual a distância da câmera para a pessoa que será registrada? É necessário aplicar zoom ou visão noturna? 

Todos esses pontos devem ser avaliados, a depender do caso e da necessidade.

Gravador

O gravador vai transmitir aquilo que está sendo registrado pela câmera. Os modelos mais modernos permitem que a pessoa assista no local do cabeamento de rede ou remotamente ao que está acontecendo.

Isso pode ser feito por meio de computadores, tablets e smartphones. No entanto, esse sistema sozinho não grava o que foi registrado durante o dia, para isso, é necessário comprar um HD interno.

NoBreak

Apesar de às vezes ser esquecido, sem este equipamento o circuito de monitoramento perde sua utilidade caso caia a energia. 

Por isso, para quem vive em regiões com quedas constantes de energia, o NoBreak é indispensável.

No entanto, ele também se torna importante em regiões mais estáveis, uma vez que imprevistos acontecem e podem prejudicar todo o monitoramento.

Por meio desses equipamentos, é possível fazer a instalação de CFTV com funcionamento garantido 24 horas para residências.

Como escolher os equipamentos

Cada residência apresenta uma necessidade diferente, pois estão localizadas em locais dos mais variados tipos e graus de risco.

Por exemplo, uma residência localizada em um bairro com índices maiores de assaltos pode optar por uma câmera com sensores que possuem alta nitidez e cor.

As lentes devem ser escolhidas de acordo com o ambiente que deseja monitorar. Para ter uma boa instalação de câmeras de segurança em um único cômodo, as lentes devem ser menores.

Já se o monitoramento for para um ambiente maior, como a frente toda da casa, o ideal é escolher lentes maiores.

Quanto ao gravador, quanto mais tempo você precisar monitorar, maior deve ser a capacidade de memória dele. Se o sistema for usado apenas à noite, não é necessário um HD, por exemplo.

O NoBreak também vai depender do tempo de monitoramento, mas, de maneira geral, é melhor que ele tenha capacidade para suportar muito tempo sem energia.

Dicas para montar um bom sistema de monitoramento

Agora que abordamos sobre todos os equipamentos necessários, é importante saber como montar um bom CFTV. 

Para isso, é necessária uma boa infraestrutura elétrica, bem como:

Fazer um diagrama do sistema de monitoramento

Para isso, é necessário identificar quais são as necessidades de segurança e fazer um diagrama. 

Por exemplo, se a casa é de esquina e há a necessidade de monitorar seus arredores, serão necessárias câmeras laterais em duas direções e na entrada do imóvel.

Para uma visão ainda mais ampla, uma câmera 360º é uma ótima escolha. Mas também é importante listar:

  • Alarmes;
  • Cabos;
  • Computadores;
  • Monitores.

Todos são necessários para criar um bom circuito de câmeras. Mas, para isso, é necessário saber qual é a real necessidade, facilitando o diagrama e tornando o local mais seguro.

Definir o objetivo

Os objetivos são diferentes, porque alguns são destinados a residências, enquanto outros são para o monitoramento comercial ou industrial.

Quando se trata de um projeto residencial, as necessidades podem variar, pois em alguns casos o foco é na área externa e em outros na área interna.

No caso de prevenção contra assaltos, algumas pessoas preferem contratar uma empresa para monitorar o CFTV. Ter esses objetivos bem definidos vai influenciar diretamente na compra dos itens mencionados anteriormente.

Atentar-se ao nível da banda larga utilizada

Câmeras IPs funcionam por meio da conexão com a internet local. Isso significa que não há a necessidade de instalar cabos. 

Dessa forma, para que o sistema de monitoramento funcione, é necessário avaliar a largura da banda larga local.

Para reproduzir imagens de alta resolução, como as que são utilizadas em serviços de portaria, os equipamentos IPs necessitam de uma estrutura compatível. Quando isso não acontece, todo o planejamento de segurança fica comprometido.

É necessário considerar a mensuração de bits por segundo para fazer a escolha mais assertiva. Também é importante lembrar que as câmeras geram certa quantidade de quilobit por segundo, que é o tamanho do arquivo de vídeo.

Depois disso, a câmera realiza a compressão do que for gravado, antes de enviar para o sistema IP. Dessa forma, a largura da banda larga deve ser analisada, levando em conta o número de equipamentos instalados, garantindo mais qualidade.

Observar o posicionamento das câmeras

Em uma CFTV IP, o movimento das lentes da câmera é feito de maneira fácil e remota. De qualquer forma, os locais de instalação precisam ser estratégicos para que todo o potencial da câmera seja usufruído plenamente.

No caso de um monitoramento feito em áreas externas de uma residência e até de uma empresa de montagem de painel elétrico, por exemplo, é necessário posicioná-las para que capturem pontos mais vulneráveis.

Também é importante escolher câmeras protegidas contra vandalismo, como no caso das câmeras bullet.

Dar foco à central de monitoramento das câmeras

No caso de monitoramento de residências, as imagens podem ser acessadas de qualquer dispositivo móvel. 

Mas em caso de locais maiores, é preciso uma central com monitores que facilitam a visualização das imagens.

Esse foco na central com o trabalho de profissionais habilitados para a sua operação é muito importante. Isso porque um investimento em um sistema de imagens que não tenha boa capacidade para gerir as imagens é uma perda de tempo.

Ajustar o foco automático

Antigamente, para montar um bom projeto de CFTV, além de um projeto de instalações elétricas, era preciso pensar em muitas mudanças antes de qualquer ação prática, dentre elas o ajuste fino no foco da câmera.

Isso acontecia porque o acesso aos equipamentos era difícil, principalmente pelo fato de que muitos ficavam escondidos das pessoas que circulavam pelo local.

Hoje em dia, após a implementação, o acesso à câmera continua sendo complicado. Mas os equipamentos IP permitem ajustes feitos remotamente. Para isso, é preciso um navegador de internet, permitindo o ajuste de maneira automática.

Utilizar cartões de memória

Para não perder momentos valiosos de uma gravação, que possa identificar situações e pessoas envolvidas, é importante usar um cartão de memória instalado nas câmeras.

Mesmo que haja algum tipo de falha na rede, as imagens vão ficar gravadas no cartão. 

Geralmente, estes equipamentos possuem um espaço extra para os cartões. Para que o monitoramento seja ainda mais tranquilo, recomenda-se o uso de um cartão em cada câmera.

Conclusão

Investir na segurança residencial nunca é demais. Isso porque é dentro de casa que temos tudo o que há de mais importante: a família e pessoas que amamos.

Proteger este espaço não garante apenas a segurança dos bens, mas a integridade física e emocional dos moradores.

Por meio de um CFTV bem instalado, as residências se tornam locais mais tranqüilos e seguros para todos.   

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

 

     

Leave a Reply