Saiba como é feito o tratamento de seu esgoto

Você sabe como ocorre o tratamento de esgoto, gerado nas residências e empresas, que é o processo responsável por transformar e destinar os resíduos adequadamente?

A lei 11.445/07 estabelece o conceito de saneamento básico no Brasil: ele é o conjunto de medidas e da infraestrutura oferecidas pelo governo, que são capazes de melhorar as condições de vida da população por meio do tratamento e abastecimento.

Isso inclui o tratamento da água, do esgoto sanitário, do manuseio de resíduos sólidos, assim como envolve também a limpeza e a drenagem de lixo que é encontrado nas águas pluviais urbanas.  

Todo esse processo ocorre diariamente e de forma ininterrupta, nas mais diversas cidades do país. Mas vale lembrar que mesmo que o saneamento básico tenha conquistado alguns avanços nos últimos tempos, ainda é preciso de maiores investimentos na área. 

O SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento), em seu relatório de impacto ambiental de 2017, traz dados sobre o tema: 17% dos lares brasileiros não possui abastecimento de água encanada, acessando a substância por açudes, cisternas, etc.

Além disso, 48% da população ainda não possuía acesso a esgoto, do mesmo modo que 35 milhões de brasileiros não recebiam água tratada em suas casas. Outro dado importante mostra que 46% de todo o esgoto gerado não é tratado no Brasil.

Esse cenário também se estende para as escolas, onde praticamente metade dos estabelecimentos de ensino fundamental não possuem acesso a esgoto, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Apesar do cenário não ser dos melhores, é importante ressaltar que os investimentos têm melhorado de forma crescente os sistemas de tratamento de água e esgoto, principalmente com recursos como o transporte de resíduos e a implementação de tecnologias. 

O SNIS mensurou, em 2018, que os serviços de saneamento foram estendidos para mais 2 milhões de brasileiros, mostrando um avanço de cerca de 2% em relação aos anos anteriores. 

Conhecer essas informações é importante para que se ganhe um maior domínio sobre o assunto, mas também é interessante entender como o tratamento de esgoto é feito, e quais tecnologias estão surgindo para contribuir positivamente com esse elemento. 

Sendo assim, este artigo pode ser valioso para quem quer saber mais sobre o tema e aprofundar os seus conhecimentos. Então siga na leitura para saber mais. 

A importância de se tratar o esgoto

O tratamento de esgoto pode ser importante por vários motivos. Mas, sem dúvida, o principal deles está diretamente ligado com o impacto na saúde das famílias e do mundo, aumentando os níveis de água potável de uma região.

Toda a água utilizada diariamente nas residências, a que sai das torneiras e vasos sanitários por exemplo, passa por diversas etapas de tratamento antes de ser devolvida ao meio ambiente. 

Em regiões onde isso não ocorre, o esgoto gerado é descartado em lagos, rios e outras regiões desse gênero, contaminando esses locais e realizando a propagação de doenças para as pessoas que dependem dessas fontes para abastecimento. 

Não à toa, há serviços especializados que foram desenvolvidos para solucionar esse tipo de problema, como é o caso da remediação ambiental, que é um conjunto de técnicas aplicados para anular o efeito nocivo do descarte incorreto.

Enquanto isso, o esgoto que é tratado adequadamente vai passar por diversos procedimentos, que estão dentro da legislação ambiental, para que o descarte não prejudique a natureza, e passe pelos processos antes de voltar para o meio ambiente.

Para isso, existem as ETEs (estação de tratamento de efluentes ou esgoto), que são estruturas devidamente projetadas para coletar esse material e conduzi-lo por diferentes etapas de tratamento, que podem variar conforme a necessidade de cada região. 

As ETEs e as etapas de tratamento do esgoto

As ETEs são unidades operacionais que realizam processos físicos, químicos ou biológicos, para remover os poluentes do esgoto, devolvendo esse conteúdo ao ambiente, devidamente tratado, com os padrões exigidos pela legislação ambiental brasileira.

A coleta e o tratamento são serviços pertinentes ao saneamento, levando o esgoto gerado em uma residência para uma área apropriada, para que se possa diminuir a carga poluente e garantir que o efluente retorne para o meio ambiente sem causar prejuízos. 

Ao ser recebido em uma estação de tratamento de esgoto compacta, presente em regiões menores, ou nas ETEs de maiores proporções encontradas em grandes centros urbanos, o esgoto doméstico, industrial ou comercial passa por 5 etapas principais, que são:

  • Gradeamento;
  • Desarenação;
  • Tratamento biológico;
  • Decantação;
  • Descarte.

01. Gradeamento

O esgoto que chega em uma ETE para ser tratado é composto de 99% de material líquido e 1% de elementos sólidos.

Na etapa de gradeamento ocorre a retenção desses materiais sólidos, permitindo que a água contaminada passe por um filtro composto por grades. 

Assim, todos os elementos que foram descartados incorretamente com a água são retidos, permitindo que o efluente siga para a próxima etapa. 

02. Desarenação

Na sequência, o esgoto recebido pelas empresas de saneamento vai para a caixa de areia, onde os detritos sólidos que estão ali contidos, que não foram filtrados pelo processo anterior, são removidos ao serem sedimentados.

No tanque, a areia, o cascalho, os pedriscos e outros materiais vão para o fundo do recipiente, e a água que permaneceu na superfície passa para o processo seguinte. 

03. Tratamento biológico

Estando livre de elementos visíveis, o efluente segue para o tratamento biológico, no tanque de aeração. 

Nesse local, ele passa pela ação de seres microscópicos, onde ocorrem reações bioquímicas, condensando as matérias orgânicas do esgoto em flocos de lodo. 

Alguns exemplos desses seres são o rotífero e o tardígrado, que removem as partículas que ainda estavam no efluente, além de que a presença deste é um sinal de qualidade de limpeza da água. 

04. Decantação

Na fase de decantação, o lodo que surgiu após o tratamento biológico vai para o fundo do tanque, isolando-se do líquido livre de impurezas que está presente no recipiente. 

Esse material que resulta do processo vai ser encaminhado para um local especializado, chamado de aterro sanitário. 

Essa substância também se torna o biossólido, um subproduto que é utilizado posteriormente em processos de agricultura. 

05. Descarte

O esgoto que chegou ao final do processo de tratamento é então liberado para descarte no meio ambiente, sem que seja prejudicial para a natureza. 

Há casos onde o efluente passa por outros processos ainda mais avançados, para que possam ser transformados em água de reuso, um recurso importante e sustentável para preservar a água potável presente no meio ambiente. 

A tecnologia no tratamento do esgoto

O descarte de resíduos químicos e de outros tipos de substância torna essencial que processos cada vez mais modernos sejam desenvolvidos e empregados no tratamento de efluentes no mundo todo. 

O uso da tecnologia em favor do saneamento pode melhorar os processos do sistema brasileiro, já que ao atuar ao lado de empresas do segmento, pode oferecer uma infraestrutura ainda melhor no cuidado com a água e com o esgoto nos municípios.

A internet das coisas (IoT) no tratamento de esgoto

A IoT é uma tecnologia que vem ganhando espaço no mercado por diversos motivos, e pode ser utilizada também para aumentar a potencialidade nos sistemas de saneamento de diversos países. 

Ela utiliza sensores especiais para captação de informações relacionadas ao consumo, à distribuição e ao tratamento da água, oferecendo dados em tempo real. 

A IoT pode oferecer esses tipo de análise ao enviá-la por meio de sistemas de alerta, que podem ser utilizados em diversos dispositivos eletrônicos.

Assim, pode-se perceber quando há desperdício de água, identificar a necessidade de aumento de distribuição, além de permitir uma avaliação que percebe a presença de elementos tóxicos na água. 

Também vale dizer que a IoT contribui para a economia, permitindo que a empresa de saneamento identifique e solucione rapidamente qualquer problema em sua rede de coleta de esgoto. 

O filtro de grafeno no tratamento de esgoto

O filtro de grafeno foi desenvolvido recentemente graças a pesquisadores da Austrália e dos EUA, possibilitando uma nova alternativa para o tratamento de esgoto, e auxiliando assim o gerenciamento da crise da água no mundo. 

Isso porque o filtro agiliza a filtragem da água e de outras substâncias líquidas, podendo ser a solução para a distribuição de água potável em diversos países. 

Além disso, o filtro é bastante resistente, suportando materiais corrosivos e exigindo menos manutenção do que outros tipos de equipamentos. 

A incineração de resíduos no tratamento de esgoto

Assim como o coprocessamento de resíduos, a incineração é um processo que age com a queima de substâncias em fornos. Por isso, ela  pode ser uma solução eficiente para o tratamento de efluentes em algumas regiões.

Ao serem queimados, os materiais são associados ao oxigênio, de modo que essa junção oferece cinzas inertes, utilizadas como fonte de energia, podendo ser térmica em um primeiro momento e posteriormente elétrica. 

Nesse sentido, a incineração de resíduos traz benefícios para o tratamento da água ao reduzir a presença de sólidos, assim como ao utilizar a energia proveniente desse processo. 

Depois de saber um pouco mais sobre esse cenário, o tratamento de esgoto e a aplicação da tecnologia nas etapas desse processo mostram como é fundamental o investimento na área, para que cada vez mais pessoas tenham acesso à água potável no mundo. 
Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Leave a Reply