Dicas para recuperar seu negócio durante a crise

O mês de março de 2020 é lembrado como o início da pandemia do novo coronavírus, o Covid-19, e o início da crise de saúde pública e econômica que atingiria todo o mundo. Por esse motivo, muitas pessoas buscam como recuperar o negócio durante esse período.

Diante da rápida disseminação, os órgãos de saúde, como a OMS (Organização Mundial da Saúde), orientaram o distanciamento social, que culminou no fechamento de várias empresas, comércios e empreendimentos. 

Nesse cenário, quem mais sofre é o micro e pequeno empreendedor, que precisou fechar as portas para contenção do contágio.

Além dos pequenos negócios, trabalhadores informais e autônomos também compõem o grupo mais vulnerável no momento de crise econômica. 

O comércio brasileiro começa a sentir os impactos negativos, com menos clientes e receitas, assim como ocorreu em outros países, como a China.

No entanto, a hora é de cautela, não de pânico. Afinal de contas, existem algumas estratégias que podem ajudar os pequenos empreendedores e trabalhadores a se reerguer, mesmo em momentos de crise.

Importante ressaltar que os pequenos negócios respondem a mais de 98% das empresas no Brasil, 80% com atuação no ramo de comércios e serviços, sendo responsáveis por metade dos empregos e gerando quase 40% do total de salários pagos, segundo dados do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas).

Quer dizer que uma loja de piso laminado, mesmo que pequena, é essencial para a economia brasileira, atuando como uma das representantes que alimenta o consumo e o faturamento do mercado no país. 

Ou seja, embora os tempos sejam difíceis para todo o mundo, é preciso unir esforços para se adaptar ao novo cenário.

Aliás, alguns empreendimentos podem ressignificar seus modelos de trabalho e até encontrar alternativas viáveis, destacando-se no mercado apesar da crise.

O artigo de hoje vai trazer algumas dicas para recuperar o seu negócio durante a crise do Covid-19 e sobreviver em meio a um cenário instável. Acompanhe a leitura!

1 – Conheça a situação atual da sua empresa

Em primeiro lugar, é preciso levantar informações a respeito da situação da sua empresa. A partir disso, é possível estabelecer metas reais, sabendo quais estratégias são viáveis para o seu negócio.

Por exemplo, se uma empresa de móveis planejados conta com um dinheiro em caixa para investimento, o momento da crise pode requisitar o uso dessa quantia, como forma não somente de sobrevivência, mas de inovação conforme às necessidades do mercado.

Muitos empreendedores ficam postergando o planejamento de controle financeiro, algo que pode impactar o seu negócio futuramente. Afinal, as dívidas podem ser acumular, colocando a empresa em uma situação delicada.

Por isso, a principal recomendação é fazer um diagnóstico do seu empreendimento, a fim de perceber as forças e fragilidades da empresa, para só depois colocar em prática as estratégias propostas.

2 – Invista em um e-commerce

Se a sua empresa ainda não tinha um comércio eletrônico, o famoso e-commerce, a pandemia do Covid-19 é o momento certo para a abertura do negócio online.

Afinal, com os estabelecimentos físicos fechados e a recomendação de isolamento social, muitas pessoas passaram a comprar produtos e serviços pela internet, recebendo as mercadorias diretamente em casa.

Uma pesquisa realizada por um e-commerce brasileiro demonstrou que houve um aumento de 81% de vendas online de seus produtos durante o isolamento social. 

Algumas categorias tiveram crescimento maior do que 100%, como os segmentos de: 

  • Alimentos e Bebidas (294%);
  • Instrumentos musicais (252,4%);
  • Brinquedos (241,6%);
  • Eletrônicos (169,5%);
  • Cama, Mesa e Banho (165,9%).

O e-commerce já vinha crescendo em um ritmo acelerado no Brasil. Tanto que era possível encontrar muitos negócios, como empresas de consultoria ambiental, com sites institucionais para fechamentos de contratos online.

Um estudo realizado sobre os impactos da pandemia da Covid-19 no e-commerce brasileiro destacou que haverá um aumento ou manutenção dos gastos em sites por parte dos brasileiros, mesmo após a crise.

Por esse motivo, se o seu negócio ainda não tinha um comércio eletrônico, agora é o momento certo para investir em um e-commerce ou loja virtual.

Vale dizer que não é preciso muito investimento, já que uma fábrica de estofados, por exemplo, pode comercializar os produtos que estão em sua loja física. 

Ademais, os preços com sites de vendas são muito mais baratos do que em comparação com a abertura de estabelecimentos e escritórios.

Para restaurantes, uma boa pedida é entrar em aplicativos de delivery, que também apresentaram crescimento expansivo desde o isolamento social. 

Dessa forma, é possível continuar oferecendo refeições aos clientes, com entrega na casa dos consumidores.

3 – Tenha uma boa estratégia de marketing digital

Diante do crescimento dos e-commerces, lojas virtuais e vendas online, as empresas precisam adaptar seus esforços de divulgação para campanhas na internet, com estratégias voltadas para o marketing digital.

Afinal de contas, não adianta nada uma loja de tintas em Guarulhos criar um loja virtual, mas esperar que os clientes cheguem até ela por livre espontânea vontade. 

Ao contrário, a internet é extremamente competitiva, por isso, é importante elaborar técnicas de divulgação compatíveis com os consumidores online.

Além disso, vale a pena manter contato com os clientes e explicar o novo funcionamento da empresa. Muitas pessoas que já compravam do seu negócio, mas não podem ir até à loja física, podem se interessar nessa nova modalidade.

Fora que, uma montadora de stands, assim como qualquer outra empresa, que mostra preocupação com seus clientes tende a obter mais reconhecimento no mercado e, consequentemente, melhores perspectivas de venda, pois essa estratégia fideliza o público.

A grande vantagem do marketing digital é que ele é extremamente barato em comparação com outras metodologias. 

Por exemplo, a produção de conteúdo relevante com compartilhamento em blogs, redes sociais e outras plataformas tende a ter um custo muito reduzido, ou até mesmo nulo, dependendo do planejamento da empresa.

Ou seja, mesmo uma pequena distribuidora de ferramentas que está sofrendo os impactos da crise econômica pode ser beneficiada com o marketing digital.

4 – Comunique os cuidados adotados aos clientes

Adotar bons hábitos de higienização e limpeza é uma das ações que mais ajuda no combate ao novo coronavírus. 

Esse comportamento também irá impactar as empresas, uma vez que os clientes darão preferência às lojas e empreendimentos que estão empregando todas as medidas sanitárias recomendadas.

Sendo assim, as empresas de engenharia elétrica, bem como demais negócios, podem enviar mensagens aos seus clientes, afirmando que estão aplicando todas as recomendações da OMS, incluindo o uso de detergentes na limpeza, funcionários atendendo de máscaras, entre outras.

Isso irá agregar valor ao seu empreendimento, além disso, muitas pessoas irão indicar o seu produto e serviço, pois sabem que a empresa está cumprindo tudo o que é necessário para evitar a disseminação do vírus.

5 – Reveja seu portfólio de produtos e serviços

Os momentos de crise são fundamentais para que os empreendedores possam avaliar seus negócios, percebendo se o produto ou serviço ofertado é realmente ideal para o público.

Nesse sentido, algumas empresas podem verificar a necessidade de revisão de suas mercadorias, investindo em outro setor ou nicho de mercado, ou somente acrescentando novos produtos ao catálogo.

Importante ressaltar que, mesmo após a pandemia, algumas mudanças no comportamento dos consumidores irá persistir, fazendo com que muitos setores tenham que se adaptar à nova realidade.

Por enquanto, ainda é difícil fazer previsões sobre o futuro, mas os empreendedores podem analisar já quais hábitos estão se tornando frequentes, como o aumento do consumo online, a predominância por compras de serviços alimentares e de saúde, além de modalidades de trabalho home office.

Conclusão

A pandemia do novo coronavírus, o Covid-19, impactou todo o mundo, atingindo grandes potências econômicas, como a União Europeia, a China e os Estados Unidos. 

Não demorou muito para a crise de saúde pública também atingisse o Brasil, provocando impasses e um cenário de incertezas, principalmente para os pequenos negócios.

Contudo, essa pode ser uma oportunidade para investir em inovações, como o mercado de vendas online e ações em marketing digital, já que a presença da internet se tornou primordial para enfrentar a crise.

Ainda é muito cedo para previsões futuras, entretanto, há boas perspectivas para as empresas que conseguirem inovar e se manter durante esse período. 

Inclusive, cada país se recupera de um jeito, bem como cada setor, dependendo das necessidades do público-alvo e os comportamentos de consumo.

Por isso, o ideal é ter calma e fazer uma reflexão sobre o mercado, com diagnóstico preciso das condições do seu empreendimento, para investir em inovação e transformação das modalidades do seu negócio.
Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Leave a Reply